Empreendedorismo Social

Transformando ideias e filosofias em ações efetivas para melhoria da sociedade.

Empreendedorismo Social

 

A Plataforma APRENDIZAGEM ABERTA foi desenvolvida pela Neo4max, empresa ligada à educação e tecnologia desde 1991, tendo em sua equipe educadores, programadores, designers,  com ampla vivência na área educacional. Com clientes em várias regiões do Brasil no segmento implantação e manutenção de Sistemas WEB voltado para educação.

 

A plataforma foi elaborada pensando no problema social da educação, cujo custo está cada vez mais elevado, onde alunos tem oportunidades diferentes de aprendizagem dependendo de sua condição econômica, haja visto o valor de materiais didáticos.

 

Seguindo a concepção da UNESCO, adotamos a linha dos Recursos Educacionais Abertos.

 

Por isso criamos a Versão Essence da plataforma Aprendizagem Aberta, que é parte integrante do projeto, de forma aberta, gratuita e que permite implantar o conceito de Aprendizagem Aberta e funções adicionais.

 

Para fazer frente  aos custos de desenvolvimento e manutenção do projeto, disponibilizamos opcionalmente módulos, aplicativos ou serviços complementares com valores justos.

 

Com essa concepção abraçamos a ideia do Empreendorismo Social, com o objetivo de devolver a educação parte das vitórias que tivemos e tornar o projeto auto sustentável

 

Se você desejar colaborar, será bem vindo

 

Conheça mais sobre o tema

Empreendedorismo Social é um nome dado a um conjunto de ações empreendedoras que visam à melhoria da sociedade, onde os empreendedores lançam mão de medidas que podem ser ao mesmo tempo lucrativas e sociais, contribuindo para a diminuição da desigualdade social.

 

Nas últimas décadas, a humanidade vem adquirindo a consciência de que é necessário agir para que tanto o meio ambiente quanto as diversas classes sociais não seja prejudicado com o progresso e o avanço da tecnologia.

 

Os empreendedores sociais são indivíduos com soluções inovadoras para os problemas mais prementes da sociedade. São ambiciosos e persistentes, enfrentando as grandes questões sociais e propondo novas ideias de mudança em larga escala.

 

O empreendedorismo social é caracterizado pela busca por tendências e soluções inovadoras para desafios sociais e ambientais. Através da sua atuação, esse empreendedor acelera o processo de mudanças e inspira outros a se engajarem em torno de uma causa comum.

 

Em vez de relegarem as necessidades da sociedade para os setores público ou privado, os empreendedores sociais identificam o que não está funcionando  e resolvem o problema mudando o sistema, disseminando a solução e persuadindo sociedades inteiras a seguir um novo rumo.

 

A diferença entre o empreendedor social e o tradicional está no objetivo final. Enquanto o empreendedor tradicional visa apenas maximizar o lucro, estabelecendo medidas e estratégias que gerem um resultado financeiro positivo, o empreendedor social busca utilizar os recursos disponíveis para conseguir resultados positivos dentro de uma sociedade, estabelecendo medidas e estratégias que gerem um retorno social e ambiental.

 

Também existe uma diferença entre os empreendedores sociais e os filantropos. Essas segundas são pessoas que investem em um bom projeto ou em uma boa ideia criada por um empreendedor social, que tem um perfil mais inovador e é responsável por criar ideias e reunir uma equipe e uma organização em torno do projeto. Cada dia mais os filantropos tem se afastado dos antigos modelos de caridade e começam a investir o seu dinheiro em inovações que têm o potencial de o multiplicar e ter um máximo impacto na sociedade.

 

Durante as últimas duas décadas, o setor social descobriu o que o setor privado já sabia há muito tempo: Não há nada tão poderoso como uma ideia nova nas mãos de um empreendedor de excelência.

 

Origem

Os termos “empreendedor social” e “empreendedorismo social” são traduções de termos originários da língua francesa (social entrepreneur e social entrepreneurship), sendo utilizados pela primeira vez em inglês entre as décadas de 60 e 70. Entretanto, o termo foi de fato difundido durante as décadas de 80 e 90 por Bill Drayton, o fundador da Ashoka Empreendedores Sociais, e por Charles Leadbeater, escritor inglês.

 

Desde então a ideia se multiplicou por todo o planeta e hoje é possível encontrar inúmeras iniciativas de empreendedorismo social que deram certo, como o Banco Comunitário União Sampaio, que criou uma moeda própria para circular dentro da comunidade do Jardim Maria Sampaio, no município de São Paulo, e fornece microcrédito aos moradores da região - tudo para impulsionar a economia local e fortalecer os pequenos comércios comunitários.

 

Também já existem grandes organizações internacionais criadas para incentivar e apoiar empreendedores sociais e pessoas com ideias novas que podem gerar grandes mudanças na sociedade. São grupos como a Ashoka, que congregar uma rede mundial de intercâmbio de informações, colaboração e disseminação de projetos, o Kiva, que promove e incentiva o investimento em micro e pequenos empresários de todo o mundo, e a Artemísia, que busca atrair e formar pessoas qualificadas para atuar na criação e desenvolvimento desse novo modelo de negócio.

 

Como consequência dessa tendência mundial, cada dia mais bancos e instituições financeiras estão abrindo linhas de crédito para projetos sustentáveis. Assim, quem planeja abrir ou ampliar a área de atuação com ênfase na proteção ambiental e desenvolvimento social já pode contar com planos especiais, com direito a vantagens financeiras que incluem taxas mais baixas e prazos maiores.